Embrascon

A criatividade na empresa – Parte 3

25 junho 2014
0

A ambiência criativa é um espaço de reflexão que, culturalmente, não é permitido durante as horas de trabalho. É importante frisar que está cientificamente comprovado que a alta produção de soluções, de maior valor e melhor qualidade, acontece quando se reúne um grupo de pessoas que formem um campo dinâmico produtivo para criarem soluções que resolvam problemas da empresa. A CRIATIVIDADE E A DINÂMICA DE CAMPO A teoria da dinâmica do campo (Field Theory) foi apresentada e divulgada nos anos 30, do século XX, por Kurt Lewin. O campo dinâmico é criado quando duas ou mais pessoas...

A criatividade na empresa – Parte 2

06 junho 2014
0

A influência da dinâmica do campo Um dos pressupostos básicos para ser alcançada a eficácia na criatividade é o desenvolvimento de um “campo dinâmico”, como apresentado por Kurt Lewin, em torno de 1933, na sua Teoria de Campo (Field Theory). Mais tarde alguns de seus conceitos foram aprofundados, entre outros, pela psiquiatra Kathleen Logan-Prince em seu livro “Mind-Free”, de 1995. Após estudar estas referências posso ser bem assertivo: é o oposto do tipo de “campo dinâmico” encontrado nas reuniões em nossas empresas. Um campo dinâmico, ou campo de forças, é construído...

A criatividade na empresa – Parte 1

30 maio 2014
0

O assunto criatividade nas empresas tem sido objeto de inúmeras pesquisas. No início, estas pesquisas estavam atreladas às pesquisas sobre inteligência, já que se acreditava que a criatividade aumentaria com o aumento da inteligência. Segundo o famoso psicólogo americano J.P. Guilford “o exame do conteúdo dos testes de inteligência revelaram muito pouco de que existia algo de natureza criativa; muitas pessoas acreditam que o talento criativo deve ser creditado à inteligência elevada ou alto QI. Esta concepção não só é inadequada como também foi a responsável pela falta de progresso...

A interpretação da informação é mais importante do que a própria informação?

20 maio 2014
0

Em princípio parece absurdo. Mas não é. Pelo menos é o que eu aprendi após 30 anos praticando consultoria de planejamento estratégico e nos debates que fomentei no Curso desta disciplina no IAG-Master da PUC/RJ, quando lá lecionei. Os primórdios do processo de planejamento estratégico, segundo meus arquivos, foi divulgado no livro “Strategy and Structure”, do professor Alfred D. Chandler Jr. , em 1962, pela editora do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT), EUA. Como o nome indica do livro indica, ele defende a tese de que a estrutura só deve ser desenhada depois de definida...

Uma “gota milagrosa” para as empresas – A Psicologia Organizacional

15 maio 2014
0

Acredito que a maioria dos dirigentes antenados ouviram falar da inteligência emocional e os ainda mais antenados devem ter lido acerca das sete inteligências, descritas no livro “Estruturas da mente”, de Howard Gardner, da Universidade de Harvard. Das 7 inteligências, infelizmente, na cultura ocidental nós só aprendemos a usar a inteligência racional que, segundo diz o neurocientista PHD Antonio Damasio, da UCLA dos EUA: “Os frágeis instrumentos da racionalidade precisam realmente de cuidados especiais” e, mais adiante, “Se sua mente dispuser apenas do cálculo racional puro,...

Os quatro sistemas paradigmáticos

08 maio 2014
0

O Paradigma Tecnológico Com o advento da era industrial, por volta de uns 300 anos atrás, surgiu ainda incipiente o paradigma tecnológico. No século XIX, no entanto, já se avolumavam as grandes invenções e os negócios comerciais. No início do século XX, as organizações industriais começaram a dar mostras de pujança em termos financeiros e de instalações físicas para atender à produção. Aconteceu então o grande boom tecnológico. A tecnologia teve um crescimento exponencial nos primeiros 60 anos do século XX, em relação aos 200 anos anteriores. Em torno de 1960, McNamara,...

Brainstorming – Ferramenta para alta criatividade

26 abril 2014
0

Existem dezenas de processos criativos para aplicação na solução de problemas das empresas. Apesar de, na minha experiência, serem todos eles desprezados nas empresas brasileiras, tenho usado em algumas delas o mais conhecido nos EUA: o brainstorming, sempre com excepcionais resultados. Também muito usados nos EUA, dois outros processos se destacam: o pensamento lateral (lateral thinking) e a sinética (synectics). O pensamento lateral foi criado por Edward de Bono, em 1970. A sinética foi criada por George Prince em torno de 1954, mas o processo só foi publicado em 1970. O brainstorming...

Sua empresa é fragmentada ou integrada?

14 abril 2014
0

“Quando eu tive aquele desafio para resolver, percebi que a empresa no seu conjunto não tinha exatamente a ideia do que era aquilo. E não que a empresa não fosse capaz, a empresa era capaz. Se eu conversasse com a área comercial da empresa, ela tinha absoluta segurança do que precisava ter da área comercial; se eu conversasse com a área de operações, estaria ela também absolutamente segura do que precisava; se eu conversasse com a área de engenharia, ela teria uma bela solução de engenharia nas mãos. Mas aquela visão de conjunto eu tinha a intuição que faltava”. (FERNANDO PERRONE...

Inteligência emocional reduz custos

08 abril 2014
0

“O bom gerente é aquele que atende aos objetivos da empresa e executa as tarefas dentro do prazo, do custo e dos padrões requeridos de qualidade.” Essa definição, que perdura há cerca de 50 anos na mente e no comportamento da maioria dos gerentes, foi compatível em uma época em que as variáveis envolvidas — tecnológicas, ambientais, humanas e financeiras — não tinham a complexidade, em alguns casos, nem os anseios e desejos das pessoas no trabalho, em outros, daquelas existentes em nossos dias. Em uma das maiores empresas dos E.U.A. a falta de visão dos gerentes quanto...

A missão dos profissionais da área humana

31 março 2014
0

“A empresa é a cara de seu presidente”- frase que poderia ser adaptada para qualquer nível organizacional: o setor é a cara do seu chefe, o projeto é a cara de seu gerente, etc. Por isso, nenhuma empresa poderá (e me parece que nunca pôde) ser diferente da maneira que a sua cúpula transmite ser, consciente ou inconscientemente. Algumas empresas, a título de estarem na moda, implantam programas “participativos” sem que o presidente e os diretores tenham noção da importância daquilo que estão iniciando. Mexer com os valores humanos desta forma é manipulação e é o que se faz...

1 2 3